Notícias

  • Presidente em exercício da Câmara diz que MP do Refis será votada na quarta-feira

    19/09/2017




    ECONOMIA
    Igor Gadelha e Daiene Cardoso

    Brasília - Presidente em exercício da Câmara, o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG) afirmou nesta terça-feira, 19, que pautará para esta quarta-feira, 20, a votação no plenário da Casa da medida provisória (MP) que cria o novo Refis. O peemedebista disse que os líderes da base aliada ainda negociam os últimos pontos do texto, para que possa ir à votação. A proposta precisa ser aprovada na Câmara e no Senado e sancionada pelo presidente da República até 11 de outubro, quando perde a validade.

    Como mostrou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) na última quarta-feira, 13, acordo entre parlamentares e equipe econômica já estabeleceu em 70% o desconto máximo que contribuintes que aderirem ao Refis terão nas multas.

    O porcentual acordado é maior do que o previsto no texto original enviado pelo governo na MP, de 50%, e menor do que os 99% propostos pelo relator da MP, deputado Newton Cardoso Júnior (PMDB-MG), em seu parecer sobre a matéria aprovada em comissão especial.

    Não é a primeira vez que o governo tem de ceder à pressão dos parlamentares, muitos deles devedores do Fisco, para afrouxar as condições de parcelamento dos débitos. Da outra vez, o governo foi obrigado a deixar o Refis perder a validade pelo tanto que foi desfigurado no Congresso. Desta vez, a previsão inicial era arrecadar R$ 13 bilhões, mas as mudanças feitas pelo relator derrubaram essa expectativa para R$ 420 milhões.

    Pelo acordo entre os parlamentares, o desconto máximo de 70% será para contribuintes que pagarem à vista o valor remanescente, após a entrada. Para aqueles que optarem pelo parcelamento, o acordo prevê descontos menores: de 50%, quando parcelarem a dívida em 145 meses e 25%, em 175 meses. No texto inicial da MP, os descontos no parcelamento eram de 40% nos dois prazos.

    Já nos juros que incidirão sobre as dívidas, parlamentares e governo acordaram em manter os porcentuais previstos no texto original da MP. O desconto máximo nos juros que incidem sobre as dívidas que os contribuintes poderão ter será de 90%, quando o pagamento for à vista, de 80%, quando for parcelado em 145 meses, e de 50%, no parcelamento de 175 meses.

    Em troca da negociação de juros e multas, parlamentares aceitaram manter em 25% o desconto máximo nos encargos legais, inclusive nos honorários, como previsto no texto original da MP. O relator e líderes criticavam o desconto menor nos encargos e honorários, cuja parcela da arrecadação vai para a Fazenda Nacional.

Filtre Por

Buscar: OK
  • Recuperação da produção de veículos faz indústria de fundição voltar a crescer

    18/09/2017




    ECONOMIA
    Eduardo Laguna

    São Paulo - Puxada, principalmente, pela retomada da indústria automobilística, a produção nacional de peças fundidas, que vem de três anos consecutivos em queda, cresceu 6,8% no acumulado de janeiro a julho e deve encerrar o ano marcando alta de 10%, segundo números da Associação Brasileira de Fundição (Abifa), entidade que reúne as empresas do setor.

    Pelas previsões da associação, a indústria de fundição vai produzir 2,3 milhões de toneladas em 2017, voltando ao patamar de 2015, mas ainda bem abaixo da capacidade de produção do setor de fundir 4 milhões de toneladas de peças por ano.

    "Sinto que não estamos mais em um voo de galinha, mas vivemos um crescimento sustentável, que gera muito otimismo no mercado de fundição", afirma Roberto João de Deus, diretor-executivo da Abifa.

    A indústria de fundição brasileira está entre as dez maiores do mundo, num ranking encabeçado pela China, que produz mais de 45 milhões de toneladas por ano.

    No total, 1,2 mil empresas trabalham nesse ramo de atividade, que, conforme as previsões da Abifa, deve faturar US$ 7,5 bilhões neste ano.

  • Superávit da balança na terceira semana de setembro foi de US$ 1,080 bi

    18/09/2017




    ECONOMIA
    Lorenna Rodrigues

    Brasília - A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,080 bilhão na terceira semana de setembro (11 a 17), conforme divulgação do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). No período, as exportações somaram US$ 4,550 bilhões e as importações, US$ 3,470 bilhões.

    Em setembro, o saldo positivo acumula US$ 2,454 bilhões até o dia 17, com exportações de US$ 9,108 bilhões e importações de US$ 6,654 bilhões.

    Em 2017, a balança acumula superávit de US$ 50,560 bilhões, já acima do recorde registrado em todo o ano de 2016. A expectativa do governo é que o valor ultrapasse US$ 60 bilhões.

    Setembro

    Até a terceira semana deste mês houve alta de 21,1% nas exportações, na comparação com setembro de 2016. Houve aumento nas vendas das três categorias de produtos: básicos (+33,5%, destaque para soja em grãos, milho em grãos e minério de ferro), manufaturados (+16,4%, destaque para automóveis de passageiros, torneiras e válvulas e partes) e semimanufaturados (+7,4%, destaque para celulose, ferro-ligas e ouro em formas semimanufaturadas).

    Também nas importações foi registrado um aumento de 16,6% na mesma base de comparação, com aumento nas compras de adubos e fertilizantes (+32,8%), químicos orgânicos e inorgânicos (+32,0%), equipamentos eletroeletrônicos (+31,5%) e veículos automóveis e partes (+20,4%).

  • Tesouro Direto lança simulador de investimentos

    18/09/2017




    ECONOMIA
    Idiana Tomazelli

    Brasília - O Tesouro Direto lança nesta segunda-feira, 18, uma campanha focada em educação financeira e vai disponibilizar um simulador para quem deseja investir em títulos públicos por meio do programa. A ferramenta vai permitir que todos façam simulações e descubram o rendimento que obterão a partir de uma aplicação mensal, ou ainda qual é o aporte necessário para obter o retorno desejado. A campanha inclui também a abertura de 8 mil vagas no curso sobre o Tesouro Direto, metade delas ainda neste mês.

    A campanha "Transformação pelo conhecimento" visa a "difundir o conhecimento para que o investidor possa tomar uma decisão racional e independente com base em seu perfil, desejos e possibilidades", afirma o Tesouro Nacional em nota.

    O simulador estará disponível no site do programa Tesouro Direto a partir de quinta-feira, 21. Para quem não sabe em qual título investir, a ferramenta vai indicar o melhor papel para aplicar com base em poucas perguntas. Escolhido o título, o investidor poderá fazer dois tipos de simulação: fixando os aportes mensais para descobrir quanto receberá no fim de um certo período, ou traçando a meta de quanto gostaria de resgatar em determinado momento do futuro para saber o valor que precisa aplicar mês a mês até chegar lá.

    Além de realizar simulações com depósitos mensais, a ferramenta também permite fazer o cálculo com aporte único ou com uma combinação de aporte inicial e parcelas mensais regulares. Ao final, o investidor poderá comparar a projeção de desempenho do título que escolheu com as principais alternativas de aplicação em renda fixa disponíveis no mercado - poupança, CDB, LCI/LCA e Fundo DI. A simulação traz a rentabilidade bruta e líquida do investimento, já descontados impostos e taxas. O investidor também terá a liberdade de personalizar o cenário, alterando os parâmetros e refazendo os cálculos.

    Já no caso do curso, as inscrições para as primeiras 4 mil vagas estão abertas a partir desta segunda-feira. Oferecido pela Escola de Administração Fazendária (Esaf), o curso é gratuito, online e conta com três módulos - básico, intermediário e avançado. Outras 2 mil vagas serão abertas em outubro e mais 2 mil em novembro.

    Segundo o Tesouro Nacional, a campanha representa mais um marco na trajetória de melhorias do programa Tesouro Direto. Um primeiro conjunto de mudanças ocorreu em março de 2015, com a simplificação dos nomes dos títulos, a modernização do site e a implementação da liquidez diária. O segundo conjunto de aperfeiçoamentos veio em dezembro do ano passado e trouxe, entre outras novidades, a ampliação do horário de resgates das aplicações e o lançamento do aplicativo oficial do programa.

    "Desde o início das mudanças, o estoque do Tesouro Direto saltou de R$ 15,9 bilhões em fevereiro de 2015 para R$ 47,3 bilhões em julho deste ano, enquanto o número de investidores cadastrados mais do que triplicou e hoje supera 1,5 milhão de pessoas", destaca o órgão.

  • Azul vai operar voos de Ribeirão Preto a duas capitais do Nordeste no verão

    18/09/2017




    NOTICIA,
    Letícia Fucuchima

    São Paulo - A Azul anunciou que operará, durante o próximo verão, voos diretos de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, para as capitais Natal e Maceió. Hoje, a aérea oferece voos diretos e regulares de Ribeirão Preto apenas para Porto Seguro e Recife. Em nota, a empresa informou que aposta no alto potencial de demanda de Ribeirão Preto e municípios vizinhos. A expectativa é conseguir ocupar 100% dos assentos nesses voos. As frequências Ribeirão Preto-Natal serão realizadas entre 31 de dezembro e 28 de janeiro de 2018, com voos partindo da cidade paulista às 12h55, sempre aos domingos. Para Maceió, os voos serão feitos aos sábados, entre 30 de dezembro e 27 de janeiro. Na semana passada, a Azul anunciou que irá ofertar, também durante a alta temporada, quatro frequências semanais para Punta Del Este, no Uruguai, partindo de São Paulo (Viracopos) e Porto Alegre. As ligações começarão em 21 de dezembro e irão até 4 de fevereiro. Também serão oferecidos 70 voos extras entre a capital gaúcha e Montevidéu nos próximos feriados de outubro, Finados e ao longo do verão.

  • BNDES não pode contestar eleição de pai dos Batista, diz Rabello

    18/09/2017




    NOTICIA,
    Vinicius Neder

    Rio - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) seguirá a decisão do conselho de administração do frigorífico JBS, que, em reunião realizada no sábado, 16, escolheu o fundador da empresa, José Batista Sobrinho, para terminar o mandato de CEO no lugar de Wesley Batista, preso semana passada, afirmou nesta segunda-feira, 18, o presidente da instituição de fomento, Paulo Rabello de Castro. Segundo Rabello, o banco não poderá contestar a decisão, como inicialmente avaliado, porque a representante do BNDES no colegiado deu quórum para a reunião. Paulo Rabello ressaltou que a instituição segue empenhada em melhorar a governança corporativa da JBS e mantém a decisão de exigir a realização, o quanto antes, da assembleia geral extraordinária de acionistas (AGE) convocada pelo banco. O BNDES pediu a realização da AGE no mês passado para votar a proposta que a JBS entre com uma ação de responsabilidade contra os controladores e administradores, o que levaria ao afastamento da família Batista. Para Rabello, a realização da reunião do conselho da JBS no sábado, na "calada da noite", é um problema da "má governança recorrente da empresa". "Tudo o que a empresa faz e tem feito é uma demonstração do quão correto está o BNDES em exigir melhoria da governança", afirmou Rabello, em entrevista ao Estadão/Broadcast, após informar que o comparecimento da conselheira Claudia de Azeredo Santos, única representante do BNDES no conselho da JBS (a outra cadeira está vaga), deu quórum e tornou a reunião legal. "O BNDES continua aguardando que a governança melhore. Como a figura do fundador, mais que respeitável, se presume completamente interina, isso não afeta nada", afirmou Rabello. A instituição continua exigindo o pedido, feito à JBS, de que o conselho da companhia contratasse uma consultoria para escolher novos executivos para a diretoria. "Colocar o sr. Batista pai não acrescenta nem retira nenhum fato em relação à acefalia da empresa. O fato de colocar lá um respeitável senhor não modifica a avaliação de que estamos diante de um processo de governança muito pobre. Trata-se de um gigante financeiro e um anão em governança", disse Rabello. Por isso, o BNDES mantém o foco na realização da assembleia. "Esperamos ter essa AGE reconvocada no prazo mais rápido possível", disse o presidente do BNDES, completando que o banco está estudando recorrer à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) sobre o conflito de interesses na assembleia. Dias antes da data marcada para a AGE, em 1º de setembro, o colegiado da CVM decidiu que o conflito de interesses alegado pelo BNDES não justificava o adiamento da reunião de acionistas. Para Rabello, a indicação de José Batista Sobrinho como CEO confirmou o conflito de interesses.

  • Bancos terão de restituir ao INSS valor pago após morte de beneficiários

    18/09/2017




    ECONOMIA
    Luiz Vassallo e Julia Affonso

    São Paulo - O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), no decorrer de suas avaliações sistemáticas junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), identificou que o órgão previdenciário encontra dificuldades para recuperar, junto às instituições financeiras, valores de pagamentos realizados após a morte dos beneficiários. No total, são mais de R$ 1 bilhão referentes a 73.556 processos analisados em 2016 e encaminhados para cobrança administrativa. Apenas 12% (R$ 119 milhões) foram devolvidos até o momento.

    Segundo a Transparência, o problema é causado, principalmente, pela resistência dos bancos em atender à solicitação de restituição. A alegação se baseia em interpretação da Resolução nº 4.480/2016, do Conselho Monetário Nacional (CMN), de que o ressarcimento somente será realizado por falha da própria instituição financeira.

    Diante do impasse, a CGU recomendou ao INSS, no relatório de Auditoria Anual de Contas realizada no órgão em 2016, que discutisse junto ao Banco Central, ao CMN e à Casa Civil da Presidência, "a possibilidade de alteração normativa e de criação de um novo produto específico para pagamento de benefícios, e não apenas o modelo de depósito em conta corrente".

    As tratativas levaram à publicação, em julho deste ano, da Medida Provisória nº 788. Em seu artigo 4.º, a MP determina que a instituição financeira deverá bloquear, de imediato, os valores creditados em favor de pessoa falecida e ressarci-los ao ente público no 45.º dia após receber o requerimento de restituição.

    Segundo o Ministério da Transparência, na auditoria de contas também ficou evidenciada outra fragilidade envolvendo benefícios indevidos.

    Durante cruzamento da folha de pagamento (Maciça) com o Sistema de Controle de Óbitos do INSS (Sisobi), realizado entre janeiro a agosto de 2016, foram encontrados 101.414 segurados que receberam em conta corrente, mesmo registrados como falecidos na base de dados.

    Em média, cada benefício irregular resultou em quatro pagamentos mensais. O prejuízo, se calculado o período de oito meses analisado pelos auditores, é da ordem de R$ 460 milhões.

    Também foram identificados casos mais graves, segundo a CGU: há 1.256 segurados que constam do Sistema de Controle de Óbitos do INSS como falecidos em 2005 e que receberam benefícios previdenciários em 2016.

  • BNDES indicará 2 novos conselheiros para a JBS ainda nesta segunda, diz Rabello

    18/09/2017




    NOTICIA,
    Vinicius Neder

    Rio - Em meio à disputa societária com o frigorífico JBS, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) indicará ainda na tarde desta segunda-feira, 18, dois nomes para as vagas a que tem direito no conselho de administração da companhia, informou o presidente da instituição de fomento, Paulo Rabello de Castro. Um dos indicados será Cledorvino Belini, ex-presidente da Fiat e da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Em entrevista ao Estadão/Broadcast, Rabello evitou informar o nome da outra indicação, pois ainda precisa passar por aprovação na diretoria do BNDES. As duas vagas do BNDES no conselho da JBS estão abertas. O executivo Maurício Luchetti deixou o cargo por iniciativa própria. Já a advogada Claudia de Azeredo Santos participou da reunião no último sábado, 16, quando o fundador da empresa, José Batista Sobrinho, foi escolhido para terminar o mandato de CEO no lugar de Wesley Batista, preso semana passada, mas já havia pedido sua renúncia. Segundo Rabello, a participação de Claudia na reunião deu legalidade à decisão. Maurício Luchetti e Claudia de Azeredo Santos foram escolhidos pela antecessora de Rabello no BNDES, Maria Silvia Bastos. Na última sexta-feira, 15, o Estadão/Broadcast revelou que o BNDES pretendia indicar membros com perfil "menos técnico" e "mais político" para representar o banco no conselho da JBS.

  • Vendas de tablet caem 8% e somam 790 mil unidades no 2º trimestre, diz IDC

    18/09/2017




    ECONOMIA
    Circe Bonatelli

    São Paulo - As vendas de tablets no Brasil caíram 8% no segundo trimestre de 2017 em comparação ao mesmo período do ano passado. Ao todo foram vendidos 790 mil aparelhos contra 860 mil em 2016. A receita com a comercialização de tablets foi de R$ 400 milhões, recuo de 11%, de acordo com pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 18, pela consultoria IDC Brasil, que acompanha os mercados de tecnologia da informação e telecomunicações.

    Segundo a consultoria, esse movimento já era esperado. "Temos observado um comportamento agressivo dos fabricantes, com preços promocionais e brindes para frear a queda. Além disso, notamos que as empresas estão diversificando os produtos para gerar mais demanda", diz Wellington La Falce, analista de mercado da IDC Brasil. "O mercado de tablets para o público infantil é bastante forte, mas produtos voltados para o idoso, por exemplo, estão entrando agora no radar", avalia La Falce.

    A IDC destaca também a alteração do preço médio no período. Em comparação com o primeiro trimestre de 2017, o valor médio dos aparelhos teve alta de 6%, passando de R$ 477, de janeiro a março, para R$ 505, de abril a junho.

    Na comparação ano a ano, houve crescimento de 14%, já que o tíquete médio no segundo trimestre de 2016 foi de R$ 443. "Os aparelhos de melhor qualidade tiveram mais espaço no período. O setor está empenhado em mostrar que os tablets não são apenas para entretenimento e sim para educação, trabalho e para consumo de conteúdo em geral", argumenta o analista.

    Para a IDC, até o fim de 2017 devem ser comercializados 3,75 milhões de tablets, o que consolida o recuo de 6% nas vendas ante 2016, quando 4 milhões foram vendidos. "A receita total de 2017 deve fechar o ano em R$ 1,967 bilhão. O que representa uma retração de 6% na comparação com os números do último ano", conclui La Falce.

  • Líderes de Canadá e Reino Unido discutem laços comerciais após Brexit

    18/09/2017




    ECONOMIA
    Gabriel Bueno da Costa

    São Paulo - O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, se reuniu nesta segunda-feira com a premiê do Reino Unido, Theresa May, em Ottawa. A dupla discutiu como devem ficar os laços comerciais após a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit.

    May afirmou em entrevista coletiva após a reunião que a ideia é garantir uma transição "a mais suave possível", nesse processo. Trudeau, por sua vez, lembrou dos laços bilaterais "profundos" no comércio entre os países e disse que pretende manter isso. Segundo ele, com a saída dos britânicos da UE haverá um corte de 90% nas barreiras comerciais bilaterais.

    A UE e o Canadá já fizeram um acordo, que passará a vigorar em 21 de setembro. O chamado Acordo Abrangente Econômico e Comercial UE-Canadá (CETA, na sigla em inglês) pode servir de base para a transição entre o Canadá e o Reino Unido, disseram os líderes.

    Além disso, May agradeceu o apoio do Canadá após o ataque ao metrô de Londres na semana passada, reivindicado pelo Estado Islâmico. Segundo ela, continuará a haver união para combater os extremistas. "O terrorismo nunca ganhará. Nossos valores prevalecerão", afirmou ela, que também defendeu uma reforma na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

  • AES tem novos CFOs com mudança de Francisco Morandi para a sede nos EUA

    18/09/2017




    NOTICIA,
    Luana Pavani

    São Paulo - A AES Brasil anuncia que a partir de 1º de outubro o vice-presidente financeiro e Relação com Investidores (CFO) Francisco Morandi assumirá a posição de Vice-Presidente Global de Estratégia Corporativa e Investimentos para na sede da AES, The AED Corporation, em Arlington, Virgínia (EUA). Ele está no Grupo AES Brasil desde 2009. Conforme comunicado, o executivo permanecerá como conselheiro de administração efetivo da AES Eletropaulo e AES Tietê. Para seu lugar, foram eleitos Marcelo Antonio de Jesus e Clarissa Della Nina Sadock Accorsi como CFO da AES Eletropaulo e AES Tietê, respectivamente. O primeiro é atualmente diretor de Controladoria e Planejamento Tributário das empresas da AES no Brasil, enquanto Clarissa atua como diretora de Planejamento Corporativo e Diretora Vice-Presidente e de Relações com Investidores da AES Elpa.