Notícias

  • Inflação na zona do euro desacelera inesperadamente a 1,2% em abril

    03/05/2018




    ECONOMIA


    Londres - O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 1,2% na comparação anual de abril, perdendo força em relação ao aumento de 1,3% observado em março, segundo dados preliminares divulgados hoje pela agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat.

    A prévia de abril surpreendeu analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam aumento da taxa a 1,4%.

    O resultado também mostrou que a inflação na zona do euro se afastou mais da meta do Banco Central Europeu (BCE), que é de uma taxa ligeiramente inferior a 2,0%.

    Apenas o núcleo do CPI do bloco, que exclui os preços de energia e de alimentos, teve alta de 0,7% na comparação anual de abril, menor que o acréscimo de 0,9% previsto por analistas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Filtre Por

Buscar: OK
  • Com bens bloqueados, Andrade deixa de pagar dívida de R$ 1,2 bilhão

    02/05/2018




    ECONOMIA
    Renata Agostini e Renée Pereira

    São Paulo - Uma das maiores empreiteiras do País, a Andrade Gutierrez deixou de pagar na segunda-feira, 30, R$ 1,2 bilhão (US$ 345 milhões) devido a credores que adquiriram títulos emitidos por ela no exterior. A construtora mineira tenta levantar dinheiro novo no mercado para honrar o pagamento, informou a Andrade à agência de risco Fitch Ratings, que ontem rebaixou a classificação da empresa, dando a ela a segunda pior nota em sua escala de avaliação.

    As negociações para fazer o pagamento da dívida estavam avançadas até meados da semana passada, quando o Tribunal de Contas da União (TCU) bloqueou R$ 508 milhões em bens da empresa por suposto superfaturamento no contrato de obras civis da usina nuclear de Angra 3, no Rio de Janeiro. Agora, com o calote, a companhia tornou-se vulnerável ao pedido de credores para antecipar o pagamento do que têm a receber.

    A construtora aposta, porém, que nenhum investidor tomará essa medida antes de esgotado o chamado período de "cura", um prazo de carência de 30 dias dado aos devedores para acertar o débito. Mas os títulos emitidos pela Andrade não preveem esse tempo extra e, por isso, o risco a que a empresa está submetida é maior. Mesmo assim, a empreiteira julga que os investidores aguardarão o pagamento, confiando que ela conseguirá levantar os recursos no mercado nas próximas semanas.

    É a mesma aposta feita pela Odebrecht, outra grande empreiteira que foi obrigada a confessar crimes após o avanço das investigações da Lava Jato e enfrenta grave crise. Na semana passada, a empresa baiana deixou de pagar R$ 500 milhões a credores estrangeiros e prometeu honrar a dívida assim que convencer bancos brasileiros a conceder novo empréstimo.Como a rival, a Andrade tem tido dificuldade de fechar acordo e obter dinheiro novo, especialmente depois da decisão do TCU. As tentativas nos últimos meses incluíram bancos brasileiros e investidores estrangeiros com maior apetite ao risco, como a gestora Pimco. O grupo mineiro tenta usar ações da companhia de concessões CCR, da qual é sócia, como garantia para essa nova dívida. Na Odebrecht, a operação envolve ações detidas pelo grupo na Braskem.

    Caixa

    Sem o novo financiamento, a Andrade não tem como honrar o pagamento. Não há recursos em caixa suficientes para cobrir a dívida. Até setembro, último dado disponível, a empreiteira tinha R$ 665 milhões em caixa e uma dívida de R$ 2,1 bilhões, segundo a Fitch. Apesar de conseguir R$ 4,4 bilhões em novos contratos, a carteira de projetos recuou para R$ 17 bilhões em março de 2017 (o novo balanço não foi divulgado). Em 2014, ano em que as construtoras foram envolvidas na Lava Jato, a empresa tinha um portfólio de R$ 30 bilhões em obras.

    Com o escândalo de corrupção, além da dificuldade em conquistar novas obras, o grupo teve de queimar caixa, aportar capital e vender ativos para honrar compromissos. Um dos últimos negócios foi a venda de 12,69% na Cemig - o que pode ter gerado quase R$ 600 milhões para a empresa. Antes disso, já havia se desfeito de participações na Oi e na Sanepar, empresa de saneamento do Paraná.

    Ainda estão à venda a participação no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, no Sistema Produtor São Lourenço - uma parceira público-privada de saneamento em São Paulo - e uma participação indireta na Hidrelétrica Santo Antônio, no Rio Madeira - em negociação com grupos chineses. Procurada, a empreiteira não se pronunciou.

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

  • China abrirá negociação no mercado futuro de minério de ferro a estrangeiros

    02/05/2018




    ECONOMIA


    Pequim - Pouco mais de um mês depois de lançar futuros de petróleo denominados em yuan, a China começará na quinta-feira (03) a permitir que investidores estrangeiros negociem em seu historicamente volátil mercado de minério de ferro.

    O mercado de futuros de Dalian, um dos dois principais pontos globais do preço do minério, tem sido reconhecido pela volatilidade, dominado por volumosos investidores de varejo.

    Apenas nos últimos meses, o futuro perdeu quase um quarto de seu valor em uma derrapagem de seis semanas a partir do final de fevereiro, só então para saltar 11% na próxima semana e meia.

    Apesar da oportunidade que a abertura oferece para proteger o valor de sua produção na China, os fornecedores internacionais provavelmente demoram a aproveitar, como costuma ser o caso de uma nova oferta de futuros. E as tensões comerciais entre os EUA e a China podem agravar a cautela usual, de acordo com analistas, além de gerar cautela.

    "Definitivamente há interesse no mercado, mas os investidores também serão cautelosos quanto aos potenciais riscos", disse Hongmei Li, analista sênior da Mysteel Global. As tarifas de importação dos EUA sobre o aço - essencialmente vistas como direcionadas à China - criam riscos.

    Além disso, os controles de capital da China criam complicações. Os investidores precisarão avaliar quão fácil será tirar dinheiro do país, e se a conversão de ganhos de negociação de yuan em dólares - bem como o custo de cumprir com os requisitos regulatórios - consumirá substancialmente os lucros.

    As negociações de futuros de petróleo listadas em Xangai começaram em 26 de março, e o volume no "contrato do primeiro trimestre" - o vencimento mais próximo - foi de 5% a 10% daquele para o benchmark West Texas Intermediate dos EUA. Georgi Slavov, chefe de pesquisa da Marex Spectron, chamou isso de impressionante e disse que espera que o volume suba gradualmente até meados do ano. Ainda não há dados disponíveis sobre quanto da negociação é feita por estrangeiros. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • Índice de condições empresariais de NY sobe a 64,3 em abril; previsão 57,0

    02/05/2018




    ECONOMIA


    Nova York - O índice de condições empresariais da região de Nova York subiu de 54,0 em março para 64,3 em abril, segundo o Instituto para Gestão de Oferta (ISM, na sigla em inglês). Em janeiro, o indicador estava em 72,5, no seu maior nível desde novembro de 2006.

    Leituras acima de 50 indicam que o ritmo da atividade empresarial foi maior que a do mês anterior, enquanto resultados abaixo dessa marca representam desaceleração da atividade. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • Eletrobras entra em acordo para encerrar ação coletiva nos Estados Unidos

    02/05/2018




    NOTICIA,
    Fabiana Holtz

    São Paulo - A Eletrobras informou ter assinado acordo para encerrar a ação coletiva em curso contra a companhia no Tribunal do Distrito Sul de Nova York, nos Estados Unidos. O acordo, que está sujeito à aprovação pela Corte, prevê o encerramento de todas as ações em curso iniciadas pelos investidores que adquiriram ações ordinárias e preferenciais da Eletrobras representadas por American Depository Shares (ADS) mediante o pagamento de US$ 14,75 milhões para os membros da classe da ação coletiva. Segundo as regras da corte, os membros da classe da ação coletiva terão direito a se opor e não aderir ao acordo. Os investidores dos EUA alegam ter sofrido prejuízos devido ao envolvimento da empresa em casos de corrupção, descobertos em meio à Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Em fato relevante, a companhia destaca que o anúncio não representa reconhecimento de ato ilegal ou culpa, e continua a negar as alegações e acusações feitas na ação. Devido aos riscos de um julgamento por um júri e as particularidades processuais e das leis de valores mobiliários dos Estados Unidos, a Eletrobras diz acreditar que a solução atende o melhor interesse da companhia e de seus acionistas. Em breve, o acordo será submetido para revisão preliminar e aprovação pela corte.

  • UE não irá negociar tarifas sob ameaça, diz Juncker

    02/05/2018




    ECONOMIA


    Bruxelas - O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, alertou hoje os EUA que a União Europeia (UE) não irá negociar isenções tarifárias sob ameaça, um dia depois de o presidente americano, Donald Trump, conceder ao bloco uma extensão de apenas um mês para não aplicar tarifas sobre o aço e alumínio exportados pelos europeus.

    Juncker, que falou no Parlamento Europeu, disse que uma eventual isenção deverá ser "sem condições e permanente".

    A UE, que é formada por 28 países, alertou que irá retaliar se Trump for adiante com o plano tarifário até 31 de maio, o que poderia levar a uma guerra comercial transatlântica.

    "Vamos continuar nossas negociações com os EUA, mas nos recusaremos a negociar sob ameaça", disse Juncker. "Estamos agora, simplesmente, pedindo que eles recuem", acrescentou. Fonte: Associated Press.

  • PMI industrial do Brasil cai para 52,3 em abril, mostra IHS Markit

    02/05/2018




    ECONOMIA
    Thaís Barcellos

    São Paulo - O índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial do Brasil caiu de 53,4 em março para 52,3 em abril com ajuste sazonal, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 2, pela IHS Markit. Embora a redução indique uma perda de ritmo no crescimento, conforme a instituição, o resultado marcou o nono mês consecutivo em que o PMI ficou acima da marca neutra de 50.

    As fábricas aumentaram a produção pelo 14º mês consecutivo, mas o avanço foi o menor desde outubro de 2017. A desaceleração do ritmo de alta da atividade pode ser constatada também no maior componente da pesquisa: o volume de novos pedidos.

    A IHS Markit afirma que as novas encomendas cresceram da forma mais modesta desde janeiro devido às condições difíceis de mercado e pelo elevado nível de desemprego. Em abril, foram criados empregos, mas só marginalmente, destaca a entidade.

    Contudo, houve uma recuperação sustentada no volume de novos pedidos para exportação com a depreciação do real, o que permitiu o avanço do total de vendas. Mas, ainda assim, houve aumento dos estoques pela primeira vez em quase três anos e meio, de acordo com a IHS Markit.

    A valorização do dólar, por outro lado, elevou as pressões inflacionárias devido ao encarecimento dos materiais importados. A IHS Markit também relata que os empresários sentiram aumentos nas contas de luz e de seguros. Apesar disso, algumas empresas fizeram promoções para os consumidores.

    "Parece que as empresas procuraram diminuir os custos por meio de cortes de empregos, tentando assim, aumentar os preços de venda em menor proporção do que o necessário para cobrir os custos mais elevados de matérias-primas. Decidir quais preços cobrar tem sido um problema de equilíbrios e ajustes de difícil solução para os fabricantes brasileiros", analisa a economista da IHS Markit, Pollyanna de Lima.

    Ainda assim, os empresários se revelaram otimistas com a produção nos próximos 12 meses, mostra a pesquisa da instituição.

  • Faturamento real da indústria cai 2,5% em março ante fevereiro, diz CNI

    02/05/2018




    ECONOMIA
    Eduardo Rodrigues

    Brasília - Após dois meses consecutivos de crescimento, o faturamento industrial voltou a cair em março, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira, 2, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na comparação com o mês anterior - e excluindo os efeitos de calendário -, as vendas das fábricas brasileiras caíram 2,5% no terceiro mês deste ano.

    Ainda assim, o volume faturado em março pelo setor foi 1,6% superior ao registrado no mesmo mês de 2017. Considerando as vendas de janeiro a março de 2018, o desempenho foi 6,2% superior ao do mesmo período do ano passado.

    "A pesquisa evidencia que a indústria segue enfrentando dificuldades e que sua recuperação continua lenta. Março costuma ser um mês de atividade industrial mais forte, na comparação com o primeiro bimestre", considerou a CNI, no documento.

    Além do menor faturamento, houve redução na quantidade de horas trabalhadas na indústria em março, com queda de 0,9% em relação a fevereiro. Essa foi o segundo mês consecutivo de recuo no indicador.

    Em relação a março de 2017, houve um declínio de 0,7% nas horas trabalhadas. Mas, no acumulado de 2018 até março, o tempo de trabalho na produção foi 0,5% maior que o verificado no primeiro trimestre do ano passado.

    Em março, a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) no parque industrial brasileiro evoluiu 0,2 ponto porcentual, passando de 78,0% para 78,2% (de acordo com dado ajustado). Em março de 2017, a UCI estava em 77,0%.

  • Mastercard lucra US$ 1,49 bi no 1º trimestre e supera previsões

    02/05/2018




    NOTICIA,


    Nova York - A Mastercard informou que seu lucro líquido avançou a US$ 1,49 bilhão no primeiro trimestre, ou US$ 1,41 por ação, acima do resultado de US$ 1,08 bilhão, ou US$ 1 por ação, de igual período do ano passado. Excluindo-se itens não recorrentes, o lucro ajustado por ação ficou em US$ 1,50, acima da previsão de US$ 1,25 dos analistas ouvidos pela FactSet. A receita da companhia de cartões cresceu a US$ 3,58 bilhões no trimestre passado, de US$ 2,73 bilhões em igual período de 2017. O resultado também superou a expectativa de US$ 3,25 bilhões dos analistas. No pré-mercado, a ação da empresa subia 4,08%, às 9h30 (de Brasília). Neste ano, o papel já avançou 19%, enquanto o S&P 500 recua 0,7%. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • Petrobras fará resgate antecipado de Notes com vencimento em 2020

    02/05/2018




    NOTICIA,
    Fabiana Holtz

    São Paulo - A Petrobras Global Finance, subsidiária da Petrobras, enviou notificações de resgate antecipado aos investidores dos títulos 5,750% Global Notes, no valor de US$ 1 bilhão, e 4,875% Global Notes, no valor de US$ 397,9 milhões, ambos com vencimento em 2020. O valor total do resgate, equivalente a US$ 1,4 bilhão, exclui juros capitalizados, que também serão pagos na data da liquidação. O resgate será financiado com os recursos em caixa da companhia petrolífera brasileira, em linha com a sua estratégia de desalavancagem.

  • Setor privado dos EUA cria 204 mil vagas de emprego em abril; previsão +190 mil

    02/05/2018




    ECONOMIA
    Niviane Magalhães

    São Paulo - O setor privado dos Estados Unidos gerou 204 mil empregos em abril, de acordo com relatório do instituto ADP. O dado ficou acima das expectativas de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam a criação de 190 mil vagas.

    O número anterior, de março, foi revisado de 241 mil para 228 mil.